A cultura do lixo nas ruas | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

A cultura do lixo nas ruas

Publicado por cidadedorio em 20/02/13 | Rio

Editorial da Semana,

Por André Delacerda e Diogo Fagundes,

Nas redes sociais, nas conversas em casa ou no trabalho o assunto mais comentado neste carnaval sem dúvida foi o lixo nas ruas. Todo mundo reclamando do mar de lixo deixado pelos foliões em ruas, praças e praias.

Um aspecto importante que nos vem a mente nesta questão, é que a população é consciente que o lixo incomoda, deixa a cidade suja. Porém, parte dela, claro que não toda, continua a joga lixo nas ruas da cidade.

O Carnaval foi um exemplo real disto, lixo por todos os lados, muita lata, garrafa pet, plásticos, etc.

Uma parte das pessoas tem cobrado maior eficiência da Comlurb, e parece que o serviço poderia ser melhor gerenciado e/ou ter uma logística mais eficaz. Mas, por outro lado, como ser eficiente quando se tem milhares de pessoas jogando lixo nas ruas no mesmo espaço de tempo?

Parece-nos que falta um entrosamento entre o poder público e a população.

E nos perguntamos: Como é que o Rio de Janeiro que irá receber eventos de cunho internacional, e quer receber o mundo, ainda não parou para discutir a problemática do lixo?

Será que não está na hora de poder público e sociedade realizarem um choque cultural?

De um lado temos o poder público que se queixa que a população tem sujado demais. Do outro, a população que se queixa da falta de locais para depositar o lixo, e cobra da Comlurb eficiência.

Tem gente que chega ao cúmulo de dizer “pago imposto, tem o gari, ele tem obrigação de pegar meu lixo”.

Essas pessoas se esquecem que a obrigação de manter a cidade limpa é de todos nós. Afinal, ninguém nas suas casas convive com lixo jogado nos quartos, salas, cozinha.

Está na hora de a sociedade carioca dá um basta nessa coisa que tanto nos envergonha, e que é um problema de saúde pública também, porque o lixo traz doenças.

Queremos uma cidade mais limpa, mais cheirosa, mais organizada, mas, o processo deve nascer no coração da sociedade, o cidadão. Não podemos esperar somente por eficiência do poder público, mesmo porque, que adianta eficiência, se temos milhares jogando lixo ao mesmo tempo nas ruas.

Cremos que tanto o poder público, quanto a população precisam de um puxão de orelhas, quanto a temática é o lixo nas ruas.

Vamos refletir e sermos mais conscientes com a nossa cidade. O Rio de Janeiro agradece.