Caminho de Santiago de Compostela por dois Cariocas: Borres - Berducedo | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

Caminho de Santiago de Compostela por dois Cariocas: Borres – Berducedo

Publicado por cidadedorio em 09/05/15 | Viagens

11216468_877609215634108_1480128063_n

Por Amanda e Fred Nogueira,

Pensei que fosse passar uma noite difícil em Borres, pois estava bem frio e o albergue bem no campo, em uma cidadezinha rural, era bem úmido. Dormimos bem, o calor humano do albergue lotado funcionou melhor que uma calefação.

Hoje, pela manhã, nos despedimos de nosso amigo Joan, que foi para Oviedo, pegar o avião para voltar a sua cidade de Reus e reencontrar sua amada. Sabia que sentiria a falta dele, pois sempre caminhava ao meu lado nas trilhas, me dando forças e me fazendo rir com suas brincadeiras: “Otro llano” (outro plano), dizia ele debochado, por encontrarmos outra ladeira para começarmos a subir. Eu adorava, achava muito engraçado. 

11251592_877609315634098_1118837969_n

Enfim, todos acordaram por volta das 6:30h hoje, porque sabíamos que a caminhada seria bem difícil! Quase todos queriam ir pela Rota dos Hospitais, um Caminho bem puxado, com distância de 27km até a cidade de Berducedo, onde teria um albergue.

11245355_877609318967431_24158766_n

Já sabíamos que durante todo este percurso, não encontraríamos água e nem comida, pois a rota é pelas montanhas, com subidas muito íngremes de pedras e nenhuma cidade a vista. Para os que se aventuram a fazer este percurso, tem que saber que não há como desistir em nenhum momento, pois não tem cidades e nem estradas, pelo menos até 17km de caminhada, quando se encontra a estrada pela primeira vez, mas quase não passa carro.

11125278_877609798967383_1251750703_n

Antes de começar a subir a trilha, passamos no bar, El Barín, o único na cidade de Borres e de lá começamos nossa aventura. E que aventura!

11198575_877610498967313_1478558178_n

Logo de início já começamos a subir bastante, uma ladeira muito íngreme com pedras. O dia nublado, assustou alguns peregrinos que preferiram seguir por outra rota, por Pola de Allande. Os que seguiram pela Rota dos Hospitais, foram 8: eu, Fred, Vicente, Luiza, um casal de alemãs e um casal de espanhóis. Amigos que fizemos em Tineo. Todos no mesmo passo, durante longo tempo seguimos juntos.

11210161_877610375633992_1213566596_n

11212342_877611502300546_745051461_n

Começou a esfriar mais ainda e uma chuvinha fina e ventos ainda mais fortes nos alcançaram. Alguns pararam logo para colocar as capas nas mochilas e seus ponchos. Por um momento, fiquei em dúvida se tínhamos feito a coisa certa. Quando de repente, me deparei com um lindo arco-iris no vale ao meu lado. A ventania, às vezes parecia que ia me derrubar de tão forte. Aos poucos passei um por um dos peregrinos, que perguntavam sobre meus joelhos e eu só dizia: obrigada, foco e meta, não posso parar.

11210142_877612145633815_1549033558_n

Durante muitos quilômetros liderei a caminhada. Nos momentos difíceis, pensava em meus familiares, no Joan dizendo que eu era valente por escolher fazer a rota dos hospitais mesmo naquelas condições e também na plaquinha que Luiza carrega em seu bastão de caminhada, escrito Believe. Muitos pensamentos positivos me ocorreram: sou forte e vou conseguir.

11100289_877612252300471_271556674_n

Ao nosso lado, durante quase todo o percurso somente abismos e seguíamos subindo eternamente, parecia que estávamos indo para o céu. Nas dificuldades, pensava em Jesus carregando sua cruz para o calvário.

11216382_877612315633798_2015812458_n

Eis que chegamos em um descida muito íngreme, com pedras soltas. Foi muito difícil, chorei. Fred, como sempre, meu porto seguro, me ofereceu seu ombro para que eu pudesse passar logo por aquele obstáculo. Um senhor chamado José Pedro, passou e nos deu chocolate, o que melhorou muito e por incrível que pareça tornou o restante da descida mais fácil. Pensei em São José neste momento, como um pai, amigo e protetor.

11225831_877612328967130_748928794_n

Faltavam 4 km até a cidade de Lago. Quando chegamos, encontramos nossos amigos que haviam nos passado, confraternizando em um bar. Paramos, comemos e descansamos um pouco. Ainda restava cerca de 5km até Berducedo. A partir daí, o restante do trajeto foi plano, onde passamos por uma linda floresta com pinheiros. E finalmente, chegamos em um albergue municipal.

Veja mais fotos deste trecho:

11259010_877612155633814_627184873_n

11253878_877610502300646_991682553_n

11251592_877610065634023_1952258473_n

11251689_877611355633894_1322468931_n

11253816_877611405633889_1073453695_n

11251434_877612455633784_857293382_n

11225630_877611235633906_1162813851_n

11216479_877612368967126_2082813693_n

11216468_877611478967215_2023163688_n

11216329_877610395633990_590341335_n

11216073_877609295634100_1861282452_n

11215969_877612148967148_933009592_n

11215907_877612402300456_473687955_n