Energia renovável, o descarte da nuclear e a multiplicação | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

Energia renovável: a multiplicação da sustentável

Publicado por cidadedorio em 02/09/13 | Viagens

_MG_7511

Usina nuclear e energia eólica lado a lado

Por Diogo Fagundes e André Delacerda

Viajar pela Alemanha é viajar também pelas matrizes energéticas. Lá não encontramos as hidroelétricas tão abundantes no Brasil. O rio Reno é utilizado para navegação e se constitui em um importante corredor hidroviário.

Mas logo vem a pergunta. De onde vem a energia que move este país?

Passamos algumas horas dirigindo nas rodovias da Alemanha e começamos a obter estas respostas visualmente. A primeira delas foram as chaminés que nos remetiam a fábricas e na verdade eram usinas termoelétricas; certamente movidas a carvão, algo que soaria uma contradição num país que preza a qualidade de vida da população e tem um forte movimento verde.

Com o passar dos dias e no caminho para Würselen, descobrimos ao lado da autobahn as famosas usinas nucleares alemãs, vimos umas duas ou três se não me engano.

_MG_7443

Usinas nucleares serão desativadas na próxima década

Enormes, soltando grandes colunas de vapor daquelas chaminés de concreto largas e grandes. Eram realmente impactantes, e prendiam a minha atenção. Ora ou outra o Diogo também as observava, já que ele tinha que prestar mais atenção ao volante.

E mais uma questão nos veio a mente. A Alemanha, após o acidente nuclear de Fukushima no Japão, tomou uma drástica medida e louvável. Resolveu gradativamente fechar suas usinas nucleares, encerrado as atividades das 17 que estão em funcionamento até o ano de 2021.

_MG_7448

Grande usina nuclear ao lado da Autobahn A4

Sobre isso analistas já falavam na imprensa quando da decisão que as termoelétricas teriam que aumentar suas capacidades, e o país importar energia de países vizinhos. São questões que ainda pairam na nossa mente. Como um país que convive com um inverno intenso, consegue sobreviver e se desenvolver com uma fonte energética não tão abundante como as que temos no Brasil.

Certamente, eles não tomariam medidas como estas se não tivesse programas de geração de energia alternativos. A Alemanha vem investido em energia solar e eólica. Nós vimos no caminho do ICE (trem bala) Frankfurt – Colonia, muitas placas de energia solar, e começavam a aparecer os grandes cataventos, aqueles de energia eólica. Que chamavam mais atenção pelo tamanho do que pela quantidade.

_MG_7528

Parques eólicos compõem a paisagem até Berlin

Porém, foi somente quando estávamos rumo a Berlin, na A2, que as coisas mudaram e se clarearam nas nossas mentes, sobre a questão das energias renováveis.

Dezenas, centenas de cataventos gigantes saltavam aos nossos olhos naquela paisagem gelada de final de inverno. Margeando a estrada, inúmeras fazendas ou melhor usinas de energia eólica. Uma coisa bonita de se ver. Em quase todo percusso até Berlin, os cataventos foram nossos companheiros. E os vimos também, as centenas, quando fomos a cidade de Hahn; eles estavam dessa vez na paisagem de montanha da região.

_MG_7542

Os enormes cataventos na área rural da Alemanha

Fica o exemplo alemão da importância de se buscar energias alternativas e sustentáveis.

Assista ao vídeo da nossa aventura de dirigir na Autobahn e vejam a usina nuclear e os enormes cataventos nas autobahn A2 e A4.