Rio+20: Sacolas plásticas, como conviver com elas | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

Rio+20: Sacolas plásticas, como conviver com elas

Publicado por blogcidadedorio em 06/05/12 | Site

Por André Delacerda

Hoje iniciamos uma série de matérias e reportagens aqui no site Cidade do Rio, abordando a Rio+20, sustentabilidade, o modo como o carioca convive com esses temas voltados ao meio ambiente, além das expectativas para a Conferência das Nações Unidas Sobre Desenvolvimento Sustentável.

Na primeira reportagem vamos falar de algo que imundou nossas vidas.

Elas estão em quase tudo que fazemos, na alimentação, no vestuário, nas compras, no mercado, e até quando passeamos com os cãos. Acertou se você pensou em sacolas plásticas, até algumas nos atrás elas não eram um produto significativo no dia-a-dia. Mas, nas últimas décadas, elas aparecera como uma “solução” da indústria para que os humanos transportassem seus produtos. As sacolas  plásticas, assim como as pets das embalagens logo tomaram conta do mercado.

E não muito longe, as pessoas tinha uma consciência mais sustentável, até meados da década de 80, ainda se usava sacolas de papelão, ou  de materiais como palha e fibra, com textura mais resistente.

No Rio de Janeiro, faz dois anos que há uma legislação voltada para que haja uma diminuição ou substituição das sacolas plásticas, principalmente nos mercados, fala-se que hoje o seu uso diminuiu em 20%.

Mas, será que o carioca aderiu ao uso de sacolas reutilizáveis?

Em parte não. As pessoas ainda acreditam que necessitam das sacolas plásticas como recipientes para o lixo geral e orgânico, principalmente de animais, como cachorros.

E as sacolas seguem um ciclo destrutivo, passam por nossas vidas, e seguem para o meio ambiente e novamente invadem nossas vidas, com a poluição de rios, lagos, córregos, baías. Vão parar no estômago de animais, e de forma indireta se juntam formando barragens que ajudam a causar tragédias como as enchentes. As sacolas, entopem os bueiros, trazendo o caos no período das chuvas.

E muita gente ainda não parou para pensar nisso, ou se habilita a fazer alguma ação pessoal, diminuindo ou abolindo elas do dia-a-dia.

Pense nisso! A Rio+20 começa aqui.