A paisagem do Rio que toma vida nos traços e desenhos | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

A paisagem do Rio que toma vida nos traços e desenhos

Publicado por blogcidadedorio em 04/04/12 | Destaques da Home, Rio, Site

Por JR Soares

Arnon Reis é um jovem carioca apaixonado por esportes e por desenho. Nesta entrevista ao site, ele nos conta o que lhe inspira e o seu amor pelas paisagens do Rio de Janeiro

Cidade do Rio –  Quando começou a desenhar, e como as paisagens do Rio foram parar nos seus desenhos?

Arnon Reis – Desde pequeno me interessava muito pela arte, e com o incentivo da minha família, desenho desde que me entendo por gente. A paixão pelo Rio de Janeiro existe dentro de todo mundo, me chama muita atenção a forma com que a cidade se mistura com montanhas, pedras, florestas, mar, lagoas, etc., e em praticamente todos os lugares tem uma paisagem pra pintar um quadro, fazer um desenho ou tirar uma boa foto. Ficaria surpreso se não gostasse de desenha-la.

Cidade do Rio – Que paisagens ou temas te inspiram mais?

Arnon Reis – Gosto muito de retratar o surf e o Arpoador. O esporte é muito próximo da natureza, e as praias de Ipanema, Leblon e a Pedra da Gávea são o pano de fundo dos surfistas que escolhem o Arpoador. Tudo isso cria um ambiente inspirador, seja apreciando o famoso por do sol na pedra, dando um mergulho na água cristalina…

Cidade do Rio – Isso tem alguma coisa haver com os esportes que você faz?

Arnon Reis – Com certeza. O surf me aproxima do Rio de uma forma que nenhum outro esporte faz. Ja vi cada por do sol, lua cheia, shows na praia, tudo isso de um ângulo muito privilegiado. Da água você tem uma vista incrível, alem de ser um momento de paz e reflexão, aonde surgem muitas idéias.

Cidade do Rio – Quais os locais do Rio de Janeiro que mais lhe chamam atenção? Porque retrata eles?

Arnon Reis – A Lagoa Rodrigo de Freitas, a orla da Zona Sul, e o pier de Ipanema (que infelizmente não existe mais), por exemplo, são locais que eu gosto muito. Embora eu não tenha vivenciado a época do pier, ele marcou uma geração na década de 70. Era o badalado ponto de encontro de artistas, escritores, jornalistas etc., aonde a moda era ditada, aonde tudo acontecia. Quando desmontado, deixou a saudade para os que frequentaram e a curiosidade para quem não foi.

Cidade do Rio – Há algum local do Rio que você gostaria de retratar em desenho?

Arnon Reis – Tenho muita vontade de desenhar lugares como a vista Chinesa, o Cristo visto da Lagoa, o Forte de Copacabana, favelas, a Marina da Gloria, entre outros.. são muitos lugares, espero conseguir retratar todos eles.