Noel, literatura, o mundo: o universo de Silvana Vargas | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

Noel, literatura, o mundo: o universo de Silvana Vargas

Publicado por blogcidadedorio em 06/03/12 | Rio, Site

Por JR Soares

Silvana Vargas é escritora e contista, seu sobrenome dispensa comentários. Ela vivencia o mundo da literatura há anos, e tem como inspiração, personagens e acontecimentos marcantes do nosso querido Rio de Janeiro, mas, não deixa de mesclar suas histórias de inspiração carioca, com o que observa nas suas viagens pelo mundo.

Ela nos concedeu essa entrevista em Ipanema, um dos bairros mais culturais do Rio de Janeiro.

Cidade do Rio – Seu último lançamento homenageou um evento que passou quase que despercebido sobre uma figura importante da música brasileira. Conte-nos como foi escrever sobre Noel Rosa?

Silvana Vargas – Esse projeto surgiu de um grupo de escritores, Grupo Garimpo, o qual pertenço. O interesse foi imediato pela vida e obra deste rapaz que viveu apenas 26 anos, mas deixou um legado que muita gente com muito mais idade que ele, não consegue atingir.

Cidade do Rio – De onde vieram a inspiração para os contos de Noel?

Silvana Vargas – Pesquisa e leitura de outros estudiosos que nos antecederam, como o jornalista Didier, Almirante, Sérgio Cabral.

Cidade do Rio – O que considera o ponto forte destes contos?

Silvana Vargas – Buscar novas formas de abordagem e novos temas. Por exemplo, tem um conto onde Noel dialoga em primeira pessoa com o próprio queixo.

Cidade do Rio – Temas músicais tem tudo haver com o Rio de Janeiro. O que poderia destacar sobre Noel Rosa e a música popular do Rio naquela época, e o seu legado para os dias atuais?

Silvana Vargas – Noel foi um boêmio que soube fazer a união da música que acontecia nos morros cariocas, com a música da Lapa. Hoje, isso é repetido por tantos autores que seguem na mesma trilha, como Zeca Pagodinho, Diogo Nogueira, e outros.

Cidade do Rio – Ano passado, você praticamente viajou boa parte do ano, soube que esteve na Alemanha e posteriormente em São Paulo, duas metrópoles com realidades e modos de vida bem contemporâneos. Algum tema em mente?

Silvana Vargas – Não. Apenas uma necessidade de oxigenar as idéias, e ter um novo olhar diante da diversidade cultural que existe ao nosso redor.

Cidade do Rio – Tem algum livro novo para sair e projeto em andamento?

Silvana Vargas – Sim. Um livro sobre D. João e o tempo em que aqui esteve, como nosso Rei. Retratar a contradição entre os costumes reais e o dos brasileiros que aqui viviam, é o mote deste livro.

Cidade do Rio – No livro do D. João, o que poderemos descobrir sobre esse momento especial da nossa cidade?

Silvana Vargas – A realidade do exílio, que é cruel mesmo para uma Família Real. Viver um cotidiano tão diferente é doloroso para qualquer um.

Cidade do Rio – Tem algum interesse na Internet e nas novas ferramentas, ligadas as mídias sociais?

Silvana Vargas – Sem dúvida. Acredito que a onda veio para ficar e só tende a trazer novas ferramentas para divulgar nosso trabalho com a literatura. Hoje participo das redes sociais, e colaboro eventualmente com alguns blogs quando solicitada.

Cidade do Rio – Gostaria de fazer algum retoque no nosso bate papo?

Silvana Vargas – Sem retoques…a obra é aberta como convém em tempos de muita criatividade!