Rio de Janeiro 5 graus mais quente, o que nos espera | Cidade do Rio

Cidade do Rio - De braços abertos como o Rio de Janeiro

Rio de Janeiro 5 graus mais quente. O que podemos esperar?

Publicado por blogcidadedorio em 05/11/12 | Rio, Site

Por André Delacerda / Diogo Fagundes – Editorial da semana

Na reportagem de ontem a noite no programa Fantástico, cientistas fizeram um alerta que provavelmente neste século o planeta a Terra possa ficar 5 graus mais quente.

Uns acreditam que este é o ciclo natural do planeta azul, já repetido anteriormente, e voltando a acontecer naturalmente. Outras correntes falam da ação radical do homem sobre o planeta, provocando um processos de catástrofes, que culminam com o aquecimento global.

Que a Terra só está respondendo as modificações que o homem vem fazendo sobre ela, isso ninguém tem como discordar. Agora o que se busca é mensurar quais esses efeitos a curto, médio e longo prazo. Temos visto o atraso das estações. Tempestades acontecendo com um grau nunca ante visto.

E se trouxermos isso para onde vivemos, o Rio de Janeiro? Ultimamente temos visto frio em plena primavera. Veranicos agressivos em pleno inverno. Chuvas como há de três anos atrás na qual boa parte do Rio de Janeiro parou. Há inclusive estudos de instituições de pesquisa, que falam sobre as regiões vulneráveis com o aumento do nível do mar no Rio de Janeiro, como a Praça da Bandeira, o região da Baixada de Jacarepaguá, e parte do litoral.

E se realmente as previsões científicas estiverem corretas, a Cidade Maravilhosa teria alguma solução para enfrentar os problemas. Existe até projeto como os piscinões que estão sendo construídos na região da Tijuca – Praça da Bandeira para conter os alagamentos. Mas como defender uma cidade que foi erguida sobre aterros, regiões de mangues, que teve muito de seus rios canalizados, que tem baixadas vulneráveis a ação das mares?

Mas não devemos nos preocupar somente com o alagamento, pois viver em regiões alagadas muitas populações ao redor do mundo já o fazem, com algum custo e/ou adaptações. Outra preocupação que surge é com o calor, sim, todos sabem que a Cidade Maravilhosa em certas épocas do ano, as vezes 50 dias consecutivos de temperaturas que giram entre os 37°C – 45°C. Se na Zona Sul as temperaturas já incomodam passando dos 35°C devido ao adensamento de prédio que retem o calor. Imagina em certos bairros da cidade, famosos por temperaturas que chegam aos 50°C como Bangu.

Temperaturas 5° graus acima da atual, tonariam quase que impraticáveis a vida nestes bairros. Que tem pouca arborização, que ajudaria a melhoria nos microclimas locais.

E o que o Rio deveria fazer num quadro como este que desenha?

Seria interessante mesmo que as previsões científicas estejam erradas, a cidade começar a fazer comitês de estudo com membros da sociedade, governos e acadêmicos. Focar em soluções emergenciais e definitivas para as áreas da cidade mais baixas. Intensificação o adensamento da arborizações de bairros que possuem temperaturas altas. Rever o gabarito de outros, não deixando a proliferação de prédio que impeçam a circulação do ar, e que podem se tornar cortinas de concreto, transformando bairros em fornos urbanos. Identificar área que podem ser novas “Florestas da Tijuca” Uma delas seria próximo ao Complexo do Alemão, numa região de pedreiras.

Há muito o que se pesquisar, fazer e sugerir, principalmente aqui no Rio de Janeiro, cidade construída entre o mar e um conjunto de montanhas.

O certo é que as mudanças do clima estão aí. Não são somente conferências e belos discursos que vão trazer soluções globais, ou locais para nossa cidade. São sim, a vontade da sociedade, aliada ao governo, que culminem em ações reais e práticas.